quarta-feira, agosto 19, 2009

Ventos... de um dia qualquer...

Sombras
Folhas caídas

Arremesso de linhas
frescas
No caudal irrequieto
Das silhuetas das manhãs




Absurdo
O admirável quinteto

Não de cordas
De jazz matinal
Desconexo sinal
Som de pés
Som de rodas


(Foto: overmundo.com.br)

10 Comentários:

Blogger as velas ardem ate ao fim disse...

Continuas a escrever tão bem.

Gosto de ti..

bjo

12:32 da tarde  
Blogger Camila disse...

Viver nos subterrâneos da consciência dos outros, num compasso de espera pautado pelo ritmo dos sons dos pés e das rodas.

Emergir pleno nas silhuetas das manhãs e nas sombras redesenhar a viagem à conquista de uma nova luz.

Do absurdo alimentar a arte.

Cantar

1:50 da tarde  
Blogger ... disse...

ou apenas dedos a implorar por um dia novo ou um vento diferente...

9:35 da manhã  
Blogger Eduardo Aleixo disse...

Sinais absurdos
Que formam um belo poema
De sol
E sombras
De linhas
E segredos
- pergunta o que dizem
Os dedos!

4:42 da tarde  
Blogger Camila disse...

sim

9:33 da manhã  
Blogger Camila disse...

silêncios.....

10:53 da manhã  
Blogger K471 disse...

Um beijo e um abraço com cheiro a maresia e a bananas! Eheheh

8:32 da tarde  
Blogger Camila disse...

nolita

7:29 da tarde  
Blogger Inês Oliveira disse...

Este blog esta Perfeito...


ADORO :)

11:18 da manhã  
Blogger 環遊世界 disse...

ou apenas dedos a implorar por um dia novo ou um vento diferente...^^

6:12 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial