sexta-feira, julho 11, 2008

Hoje…














Mais logo, à noitinha,
Vou deixar a alma à solta,
Estar contigo.

Vou aconchegar-me no teu colo
E soltar brados de desejo.
Contigo.

Ocultos pelos enigmas
De todas as ilusões
Contaremos fábulas,
Mataremos todas as transgressões.

E consumida por fim a paixão
Não adiaremos a despedida.
Estacionará no coração
A certeza de outra corrida…


(Foto: Marta Ferreirahttp://olhares.aeiou.pt/um_violino_no_telhado/foto2058214.html)

6 Comentários:

Blogger _aifos_ disse...

Poesia perfeita e sonora!
Poesia simples e delicada!
Poesia epidérmica, arrepio!

11:11 da manhã  
Blogger carpe vitam! disse...

e se todos os dias fossem assim?

5:10 da tarde  
Blogger encena_dor disse...

Convido-o para a visitar o meu blog.

Aprecio poesia e gostei muito do seu poema.

10:09 da tarde  
Blogger heretico disse...

belo poema. aberto à vida. e a novas "leituras".

11:47 da tarde  
Blogger Teresa Durães disse...

mais um belo poema!

1:56 da tarde  
Blogger vida de vidro disse...

Saudades de vir aqui e ler os teus poemas. Solto e leve nas palavras. Gosto! **

2:40 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial