segunda-feira, outubro 29, 2007

No vazio…














Saiu de casa com aquela sensação de vazio no peito que tantas vezes sentira antes. Aparentemente não havia motivo nem ele saberia dizer porque se sentia tão triste.
A noite correra bem.
Um jantar bem preparado, uma saída agradável, o regresso pleno de desejos que, antecipadamente, sabia iam ser satisfeitos.

Enroscados no sofá, entretiveram-se com um filme que há muito queriam ver juntos. O chá ia sendo bebericado calma e longamente, em vez dos habituais Porto ou a velhíssima aguardente que guardavam para momentos como este.
Nos intervalos, que não gostavam de perder o enredo, comentavam a história, enquanto as carícias os mantinham próximos e prendiam os desejos ao ardor que adiavam consumir.

Ainda se ouvia a banda sonora, terminado o filme, já trocavam beijos, já as mãos se precipitavam para o interior da roupa, dos corpos, da alma.
Quando, cansados, adormeceram, ficara no ar um sentimento estranho. Não era nada. Nunca era nada. Era apenas a sensação de que algo ficara por dizer ou por fazer.

Saiu de casa e andou até ao carro. E andou, andou, à procura do momento em que a ternura se tinha esgueirado através da brisa entre o olhar de amor e o desalento que, sem se aperceber, se tinha instalado.


(Foto: Luís António Alves)

8 Comentários:

Blogger Jotabê disse...

É, a rotina é uma coisa tramada.
Não quer dizer que não se sinta, a questão é que comodamente nos vamos habituando a reservar essa manifestação, pura e simplesmente por se achar que já não vale a pena, é ponto assente.

Por vezes aparecem dúvidas, outras vezes ‘um sentimento estranho, ou uma daquelas sensações..

..bem tu sabes.

:|

aquele abraço de sempre

4:04 da tarde  
Blogger Polly Jean disse...

As coisas bonitas da vida. assim , em forma de palavras.

4:34 da tarde  
Blogger herético disse...

viver é complicado. e a ternura difícil. já se sabia...

e o teu texto dá-lhe o "sentimento" certo. abraços

9:51 da tarde  
Blogger isabel mendes ferreira disse...

é.
era a "vindima do silêncio"....


(tu tb.)


nas horas longas que vimos partilhando)


bei_________________jo___________te.

4:58 da tarde  
Blogger Peter disse...

Meu caro António:
- Gostei, mas gostei verdadeiramente do texto. Talvez porque o mesmo tenha algo a ver com muitos de nós.

Destaco o final:

"Não era nada. Nunca era nada. Era apenas a sensação de que algo ficara por dizer ou por fazer.

Saiu de casa e andou até ao carro. E andou, andou, à procura do momento em que a ternura se tinha esgueirado através (d)a brisa entre o olhar de amor e o desalento que, sem se aperceber, se tinha instalado."

Abraço

P.S. - Não queres enviar um texto para o blog "S.O.S. Miséria"? É um tema que sempre te disse algo e consta dos n/links sob essa referência.

7:50 da tarde  
Blogger _aifos_ disse...

Que texto esse...!
Delicioso de ler, como chá que sorvo e queima.

11:50 da tarde  
Blogger K471 disse...

Tou aqui Ant, no vazio...

10:23 da tarde  
Blogger Teresa Durães disse...

já me disseram: para amar é necessário tempo

e detesto rotina...

10:41 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial