sexta-feira, junho 01, 2007

Este é um título do jornal Oje. Depois e de acordo com o Banco de Portugal, “a poupança financeira dos particulares sobre há 3 anos consecutivos e contrasta com o crescente endividamento do sector financeiro...”, refere o jornal.
E apresenta números, percentagens dos patrimónios líquidos e do endividamento global da economia nacional (quem quiser aprofundar vai ao site)


E pronto poderia ficar por aqui e mai nada...
Só que... bem... ando a acordar com neuras atrás de neuras...

Correndo o risco de ser considerado ingénuo, não posso deixar passar a oportunidade de referir, moi même (isto é francês), que estas análises economicistas do estado da nação já chateiam.
Há um esquecimento, por parte dos analistas, da visão humanista da questão.
É que eu não estou a ver como é que a maior parte do pessoal vai pôr-se a poupar...?...

Primeiro, eu até duvido desta história das poupanças. A maior parte das pessoas que adquiriu habitação teve que subscrever planos vários para baixar o spread do empréstimo. Portanto baixa ali para entrar aqui... não é má ideia. Ao mesmo tempo que adquire juros sobre a aquisição, o banco ainda consegue ter uns cobres mais a render juros.
Resultado: o subsídio de férias é para ajustar a coisa, o de Natal para as prestações em atraso.

Por outro lado foi a poupança que aumentou (eles dizem que sim, nós acreditamos), ou simplesmente a malta não tem dinheiro para gastar?
Muita gente tem que recorrer a segundos e terceiros trabalhos para se organizar minimamente. A consequência lógica é que sendo assim não sobra muito tempo para gastar – é como faz a maior parte dos emigrantes: bule, bule e mais nada.
Resultado: alguns pais até conseguem aperceber-se que têm filhos porque aqueles putos que andam ali por casa lhe fazem lembrar alguém... isso se vivem todos na mesma casa.

O valor dos bens essenciais (e aquilo parece que aumenta todos os dias), o recurso à saúde (oh, os velhinhos...), o preço da educação e da cultura (que ainda não são bens essenciais), reduzem (?) o consumo de produtos e serviços (qualquer dia vai toda a gente de marmita para o emprego, - se o tiver -, os cinemas ficam ainda mais vazios, os actores vão arrumar carros.

E não, não esqueci que o endividamento dos portugueses é brutal, que bares e discotecas estão cheios (até quando?).
A possibilidade de uma viagem de férias é quase uma miragem para a maioria dos portugueses. Também para quê? Estamos aqui muito bem, não precisamos de ir a lado nenhum.

E este verão? Será que o homem dos gelados vai chegar ao fim do dia com a geleira vazia?


Ah! As neuras são mesmo de origem económica... :D


(Foto:
br.geocities.com/sangavc/treinamentos.html – dêem lá um saltito...)

9 Comentários:

Blogger as velas ardem ate ao fim disse...

Resultado: o subsídio de férias é para ajustar a coisa, o de Natal para as prestações em atraso.



Tens toda a razão.

Um pais de neura este.

bjos

6:10 da tarde  
Blogger Jotabê disse...

A expectativa andou mais depressa que as reais possibilidades, reafirmo, reais possibilidades. A cultura ou melhor a ‘coltura’ fez o resto...

:|

dábeliudábeliudábeliupontoaqueleabraçodesemprepontojb

2:46 da tarde  
Blogger herético disse...

como eu percebo a tua neura...

"mundo está perigoso...", sem dúvida.

abraços

9:19 da tarde  
Blogger Teresa Durães disse...

pronto, já estou de neura também :(((

(nem leio jornais que é o melhor. férias? o que é isso?)

boa tarde

1:02 da tarde  
Blogger Bonnie disse...

Em ultima análise, os tugas não tem um tusto para pagar o que devem, qto mais para poupar....

beijinho, e viva a neura!!!

12:12 da tarde  
Blogger Cris disse...

Dou razão à Bonnie...

9:47 da tarde  
Blogger Ana Luar disse...

Queres a verdade meu amigo? Não me parece nada que o país esteja com problemas... Na passada sexta feira fui tentar encontrar um sitio para comer... e nem estou a falar do "pronto a comer" e não encontrei um restaurante da minha zona Lisboa que não estivesse com uma fila de 30 minutos pelo menos de espera. Além disso... fui à Zara tentar comprar uns calções para a minha filhota e quando cheguei à cx tive que esperar 35 minutos para pagar uma módica quantia de 12,00... enquanto reparava que todas as pessoas à minha frente pagavam com cartões de crédito e por sinal grandes quantidades de roupa. Achas deveras que temos razões para dizer que este país está mal?
Mal estava no tempo da minha mãe em que uma sardinha era dividida por uma familia inteira. e sorte a do que lhe calhava o lombo rsrsrrs

jinhos para ti Ant...

10:02 da manhã  
Blogger Peter disse...

Quais neuras? Enfrentas corajosamente o dia-a-dia.
Há aqui alguns aspectos que focas que eu sinto na pele por serem situações que afectam familiares.

Tenho andado cá e lá, sem tempo para visitar os blogs linkados e respectivos titulares, como é óbvio. Irá ser assim até voltarem os dias curtos e escuros.

3:31 da tarde  
Blogger Cris disse...

Ainda de neura?

Bjo
C.

12:42 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial