quinta-feira, abril 19, 2007

Descolagem

Lamentavelmente perco a esperança de me desvanecer nos braços da paixão.
Conheço-me bem.
Sinto a alma descolar-se pelo picotado da consciência. Ou será a consciência pelo picotado da alma…?
De todo o modo, permaneço ausente. Vagamente recordo a brisa do amor e da tranquilidade.
De quando em vez abro os braços à esperança de que a luz reencontre o caminho da minha casa.
Enfastio-me.
E comigo, também tu. Esperas pelo momento em que te abrace incondicionalmente, como se fora um príncipe encantado, de conto infantil e maravilhoso.
Mas não!
Não quero ser o resto de um mundo onde apenas sombras sorriem porque nada temem.
Eu temo o tempo. O tempo que tenho e o que já se esgotou.
Perdi a viagem algures a meio, quando saí para comprar cigarros.
Tonto, sei-o agora. Tonto, porque a troco de um efémero prazer, deixei fugir o prazer mais doce que se esconde na inocência de um beijo longo.

A tranquilidade que possuo custa-me o dobro do prazer de ser tranquilo.
O melhor é partir de vez. Deixar esta melancolia que se prolonga para além do suportável.
Sofro. Porque incapaz de esquecer os longos cabelos loiros que um dia possuí e que se perderam em quimeras prateadas. Ali se desfizeram em pó, ali se consumiram em desejos mal resolvidos.
Hahahaha… Rio-me.
Rio-me porque apenas me resta rir.
Rio-me porque as lágrimas doem mais, muito mais.

Ao mesmo tempo que me desconstruo, entendo a subtileza do primeiro mor, aquele que um dia imaginei eterno.
Depois, num ápice, alimentei as quimeras de um sonho dourado.
De costas para o abismo, lancei-me na vertigem.
Ah… o momento foi mal escolhido. Fiquei aprisionado nesse voo alucinado.
Agora, preso no limbo, sinto os espinhos romperem-me a pele, o sangue jorrar por entre dores sem cura.
Levanto-me, em cada dia, com esta sensação de bebedeira nocturna. A complexidade disto é a consciência de cada segundo que passa e que será por sua vez o último de cada vez.
O passado torna-se presente, como que saído de uma fotografia mal tirada, descorada, desfocada. E os beijos, hoje, têm, simultaneamente, o valor doce e acre, quente e frio de vida incompleta.
Revejo-me em cada fraqueza que recordo. Fortaleço-me em cada incoerência, como se me alimentasse de comida fora de prazo.

Vejo-te deitada no meu medo. Desfaleço na tua incerteza e adormeço na minha inconstância.
Oiço as palavras que roubaram o sossego aos meus sonhos, mesmo se me dizes que nada mais importa. A tua noite, intranquila, revela angústias vividas noutros tempos, noutras vidas.
Ambos sabemos que roubámos estas noites a outras noites que já não nos pertencem. Ou nunca pertenceram.
Através dos teus murmúrios oiço a voz de uma plano rasurado. E o resto que, se visível, se revela, é um sinal da marca do sangue que um dia manchou um lençol, uma água, um desejo. Marca que ressurge em dias cinzentos…

Essas memórias, que colidem com as minhas, marcam a impossível quietude. Roubam a tranquilidade ao sono, antes calmo, apaziguador.
Marcados pela dor e pela desilusão, caminhamos lado a lado nesta “ideia” de modernidade onde tudo é possível, onde tudo cabe.
Abandono-te à noite. Os dados caem sobre o pano verde e riscam as probabilidades da insistência inútil. Vagamente o abraço aperta a dor e lambe a angústia.
Falas-me de planos incondicionais. Confesso-te milagres impossíveis, de reviravoltas impossíveis.
Esqueço-me de grandes causas. Porque a minha causa é mais importante, mais urgente.
É que sem amor não vivo em paz.
A constância da felicidade é-me indispensável.
Podes viver sem água?
Não, claro. Também eu não posso viver sem o fogo do amor que se renova em cada toque, em cada troca de olhares.
Ah, a luz dos olhares que se amam é combustível, é alimento é a vida.

Já não quero ter planos.
Não entendes? Não quero sobreviver a mais desilusões.
Cansei-me da vida fácil, porque a facilidade tem um preço maior que a maior das dificuldades.
É por isso que te interrogo. Porque as promessas não cumpridas são como pedaços de vidro lascado.

Já vi a morte tão perto. Uma, duas vezes, talvez. Mesmo assim, percebi que o medo é inútil. Pelo menos é o que penso. Talvez porque de tão rápida não pouco tenha sentido o seu gelo.
Um dia, no definitivo dia, talvez peça pela vida. Agora, porque tudo é superficial, o medo é substituído pela ansiedade e pela tristeza.
Olho em volta. Não estou só. Sinto os olhares cúmplices dos que, como eu, aguardam uma esperança que já não vem. São os suspiros de quem se deixa abater.
Não eu!
Eu ainda não!!
Apenas miro cada movimento em torno de uma escura e fria incerteza.
É tempo de partir. É escasso o tempo e a vida não espera por nós. Vou deixar-te. Partimos ambos em direcções opostas, como se apenas nos tivéssemos cruzado por instantes.

É o regresso à eternidade que nunca se esgota.

(Fotos: Rui Pedro Benevites, A. Brito, Rui Vale de Sousa, SophieThouvenin, Ant)

16 Comentários:

Blogger MARTA disse...

Lindo, Ant - as dúvidas que nos assaltam por vezes...e para as quais nem sempre encontramos resposta..
Ou encontramos???? Não sei...
Gostei muito das fotos também...
Beijos e abraços
Marta

1:42 da tarde  
Blogger Cris disse...

É proibido espreitar para dentro da alma dos outros, especialmente a minha. Não tenho vergonha de assumir, que muito do contas é o mesmo alvoroço que se passeia nos meus dias. Doi.

Bjo
C.

2:25 da tarde  
Blogger Jotabê disse...

Há 'males' tramados de entender, difíceis de fazer ver e impossíveis de viver.

aquele abraço

:|

9:52 da tarde  
Blogger Caiê disse...

A esperança é o contrário do desespero. Mas essas nuances todas pelo meio são uma chatice pegada... Não haverá uma maneira mais simples de viver? Era fazer tábua rasa e começar!

1:05 da tarde  
Blogger Cris disse...

Não me canso de ler, por vezes, nesses caminhos que seguem, opostos, contrários, encontram-se verdadeiros tesouros que nem sabiamos existir....

Bjo
C.

5:52 da tarde  
Blogger as velas ardem ate ao fim disse...

Não gostei...AMEI!

"Olho em volta. Não estou só. Sinto os olhares cúmplices dos que, como eu, aguardam uma esperança que já não vem. São os suspiros de quem se deixa abater.
Não eu!
Eu ainda não!!"

Esperamos ...E como alguem já dosse nada de fazer planos para nao estragar os que a vida fez para nós...

Nesta tua tristeza revejo me e acredita que doi.

bjinho enorme

9:34 da tarde  
Blogger herético disse...

"Sinto os olhares cúmplices dos que, como eu, aguardam uma esperança que já não vem. São os suspiros de quem se deixa abater.
Não eu! Eu ainda não!..."

as tuas palavras são exemplares de toda uma geração. que apesar de "vencida" não desiste.

excelente! abraços

12:15 da tarde  
Blogger as velas ardem ate ao fim disse...

Feliz dia da liberdade!

bjos

12:24 da tarde  
Blogger Teresa Durães disse...

fiquei sem fôlego, sem palavras
lindo

beijo

6:31 da tarde  
Blogger K471 disse...

Só para deixar um beijo com aroma a mar de pérolas ;)

12:39 da tarde  
Blogger K471 disse...

Enorme introspecção.
Vejo-me nalguns traços, rabiscos e linhas.
Que enredo lindo meu deus...
Falaste por mim, sabias?
Talvez a meu favor joga o tempo... mas tenho medo da dor...
Quem sabe... quem sabe... o que o tempo me reservará.

12:43 da tarde  
Blogger _aifos_ disse...

O tempo não permite tantas coisas... tenho tido pouco tempo para deixar comentários, mas passo aqui sempre! :)

bjs

2:24 da tarde  
Blogger Cris disse...

É o regresso à eternidade que nunca se esgota.

1:00 da tarde  
Blogger Angélica Cruz disse...

Nossa que post ... que texto!!!! que sentimento bonito e feio triste e felis. quase que tuas palavras viram as minhas e tes sentimentos tb.!

Bem beijao em vc ..um exelente fim de semana!


http://angellcrystal.zip.net/

9:01 da tarde  
Blogger Peter disse...

Um texto longo, talvez demasiado longo, mas com o conteúdo necessário:

"Tonto, sei-o agora. Tonto, porque a troco de um efémero prazer, deixei fugir o prazer mais doce que se esconde na inocência de um beijo longo."

Abraço

1:45 da manhã  
Blogger Su disse...

gostei de ler.te

jocas

9:17 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial