quarta-feira, março 29, 2006

Nunca Entregues Todo o Coração



















Nunca entregues todo o coração, pois não vale
Muito a pena pensar no amor
De mulheres apaixonadas desde que firme
Nos pareça, e nunca elas imaginem
Quanto vai definhando de beijo para beijo,
Pois tudo o que nos seduz mais não é
Do que fugaz deleite, doce e sonhador.
Oh, nunca entregues o coração completamente
Pois elas, por mais que os suaves lábios o afirmem,
Entregaram ao jogo os seus corações.
E quem poderá ainda jogar bem
Se estiver surdo, mudo e cego de amor?
Aquele que fez isto sabe o quanto custa
Pois entregou todo o coração e perdeu.

(W.B. Yeats)

20 Comentários:

Blogger greentea disse...

é por estas e por outras que de manhã estou sempre atrazada... à noite , é que estou cheia de energia e criatividade
e de manhã tem de vir o bendito do banho energ´tico...

qt ao teu post traduz alguma (?) amargura mal contida, mas nem todos são da mesma opinião - é melhor ires lá ver, in loco...
Um beijo

1:42 da manhã  
Blogger lazuli disse...

Somos seres solitários desde que nascemos e o segredo estará no caminho do meio.
Esse belo poema diz muito do teu estado de alma.
Mas estamos aqui, não estamos?
Beijos

Fernanda

2:44 da manhã  
Blogger Sol disse...

Por vezes o jogo
perde o sentido
nem sempre dominamos
a próxima jogada...
Num misto de sentidos
seduzidos pelo prazer
acabamos perdidos...rendidos
inconscientes do sofrer...


;))Beijinho

8:48 da manhã  
Blogger Legionaria disse...

Nunca...beijo grande

10:23 da manhã  
Blogger Jotabê disse...

Interessante a imagem que este poema me sugeriu. A sintonia do Amor; toda a gente a procura, toda a gente tem esperança de encontrar, e toda a gente sabe que não existe e insiste em se enganar. Desculpa lá pá não consigo dizer estas coisas sem rimar. Até Florbela Espanca reservou um cantinho da sua loucura pelo Amor, e se a rapariga “loucurou”, para mostrar essa amarga realidade:

«…E das tuas riquezas e de ti
Nada me deste e eu nada recebi,
Nem o beijo que passa e que consola.

…e o meu corpo, minh’alma e coração
Tudo em risos posei na tua mão!...
…Ah! Como é bom um pobre dar esmola!...»

11:08 da manhã  
Blogger Ant disse...

Ah mudaste de nome para evitares confusão.
Não há nada como definirmos a nossa identidade. É asim e mai nada ó JB que agora é jotabê.
Estás a refinar os comentários, vê lá não te estragues.

11:31 da manhã  
Blogger Legionaria disse...

Que parva, nem te desejei as melhoras ha pouco na nossa comunicaçao ;) as melhoras, um grande beijo

Se um dia ficar melhor tmb to devo a ti, sabias? Muito obrigada!

1:15 da tarde  
Blogger Ant disse...

Legi, não há necessidade. Depois convidas-me para o casamento. hehehe

2:28 da tarde  
Blogger Miguita do Andar de Cima disse...

Há 14 anos que ando assim, surda, muda e cega de amor! Até agora não perdi nada, mas ganhei um puto lindo que até dói... O que me faz dizer que nunca perderei mais do que o que já ganhei. NUNCA!!! E VIVA O AMOR!!! E o FCP também :)

3:27 da tarde  
Blogger Ant disse...

Miguita, está tudo muiot bem. Agora o FCP... Bom, que amor esse que tu tens.O filho não é dele não?
hehe

3:59 da tarde  
Blogger Teresa Durães disse...

Hum... O problema do Yeats foi não ter lido Jane Austen.

Elas afirmam que eles são o problema. Eles o contrário. Não ficassem cegos, surdos e mudos, ora!

E Florbela Espanca não era louca. Sentia, apenas, demais. Mais que os ditos "normais". Por isso ela é célebre e os outros lêem os poemas dela. Mas ela sentiu, oh!, se sentiu, e quem sente, (e não seja um tonto como o Yeats que se arrepende depois) sabe que viveu, mesmo que se mate.

Ah! Florbela, Antero de Quental, Emingway, Sá de Carneiro, Virginia Wolf...

5:10 da tarde  
Blogger Araj disse...

O sonho é muito lindo... e quando acordamos????

7:09 da tarde  
Blogger Amor Maior disse...

...perdeu só desta vez! Foi só uma imensa batalha numa guerra ainda maior! Acredita! :) Outro beijo

10:52 da tarde  
Blogger Ant disse...

araj, quando acordamos... siga.
O amor tem que ser sempre maior. É nisso que acredito.

12:23 da manhã  
Blogger Isabela disse...

Mas é pena!

5:00 da tarde  
Blogger winterdarkness disse...

Tb eu e tb perdi mas estou a reerguer-me com uma nova "paixão"!

5:45 da tarde  
Blogger la boheme disse...

Se não vale pensar no amor, vale a pena pensar em quê afinal? O amor não é um jogo solitário, é uma dádiva que se deve viver.Ninguém perde ao entregar o coração, quem perde é quem nunca o quer entregar...!!

10:26 da tarde  
Blogger formiga disse...

bom, que o amor é inutil, já o Pessoa sabia. Agora dizer que o amor das mulheres não vale a pena??????????? Ora francamente!! quem mais louco do que o homem para se apaixonar por uma mulher? Então e agora? Deixamos de nos apaixonar por mulheres, só porque o beijo deixa de ter sabor? Então este sabor é a que? Morango ou luxuris.... bj no coração

4:41 da tarde  
Blogger Ant disse...

que bela discussão aqui se arranjou só por causa do Yeats.
Formiga, os beijos têm o sabor doce ou amargo de quem se beija.
OLha tem dias... digo eu...
La Boheme, há quem perca, ó se há. Não quer isto dizer qque não valha a pena jogar o jogo.

12:04 da manhã  
Blogger la boheme disse...

Eu disse que o amor não é um jogo mas sim uma experiência ou um modo de vida partilhada. Que bom é o amor vivido sem falsidades nem jogos. Jogar soa a disputa a competição e isso não é saudável numa relação.
Ant, não jogues, entrega-te, ama.
bj

12:58 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial