sábado, dezembro 24, 2005

Conto de Natal

Todos os anos, por esta altura, ando com uma neura descomunal.
Este ano a coisa está ainda mais complicada que o habitual e até faz desconfiar das intenções do Menino Jesus.
“Homem sem fé” – direis.

Bem, todos os anos, também por esta altura, me acontece qualquer coisa que me faz repensar esta depressão que sempre me ataca.
Ou um amigo que já não vejo há a nos me aparece à frente e me faz feliz, alguém que tem um gesto verdadeiramente natalício para com alguém que até posso nem ser eu. Enfim, qualquer coisa.
Hoje, no cúmulo da distracção (vou abreviar), deixei a minha mala onde transporto coisas como uma agenda, o painel descartável do auto rádio, um disco portátil cheio de trabalhos e documentos pessoais (meia vida é o que é) e outras coisas mais ou menos importantes, deixei-a, repito, junto á mesa onde almocei. Onde? perguntam vocês, amigos que aqui vêm? Na zona da restauração de um centro comercial.
- Mas estás parvo? - Perguntais. Hoje, num centro comercial? Ainda nas compras de Natal?
Nada mais errado. Não queria ali estar mas as coisas são assim mesmo e estava, pronto.
Adiante…
No cúmulo do desespero volto ao local e a dita, claro, não estava lá. Pergunta aqui, pergunta ali, cafés, mulheres da limpeza, seguranças… nada.
Assistência ao cliente e nada. Atendimento do Jumbo, nada. Corro à Administração e peço a consulta às câmaras de vigilância para identificar o tipo que me levou quase metade do ordenado e mais o trabalho e tudo o resto, inclusive textos, fotos, etc etc., "tem que esperar o visionamento e acesso talvez só com autorização policial".
Quando se encontra a mala de alguém, é suposto entregá-la nos perdidos e achados, não será?
Mas não.
Raiva, tristeza, desespero, aceitação.
Sim porque como me disse um amigo, agora já não havia nada a fazer a não ser esperar ou desistir “e aguentar”.

Rezei. Não tanto para pedir a coisa de volta, confesso. Mas para ter força para me desapegar da coisa. Para arranjar maneira de voltar a ter, pelo menos o material. É que a vida não está fácil...
Na verdade estava entre o aguentar e o não desistir (não sou de baixar s braços facilmente), quando o senhor Luís me liga para o TM dizendo que tinha a minha mala.
E o disco está aí? (prioridade)
Está. Está cá tudo.
Chorei. E não foi só de alívio. Foi um conjunto de sentimentos a desabar.
Fui buscar. Não foi perto. O senhor Luís não deixou a mala nos serviços do centro porque não confia. Preferiu encontrar lá dentro uma indicação, um contacto e ligar-me. Ainda bem. Assim pude oferecer-lhe uma das poucas prendas que vou oferecer este ano.
O senhor Luís está longe de entender a dimensão do seu gesto. Ou talvez não. Talvez tenha chegado a casa e tenha dito à família que “gostava que vissem a cara de felicidade do homem” que era eu.
Que pieguice, poderá algum de vós pensar.
A verdade é que numa altura em que é difícil acreditar na honestidade, no respeito (ao que me disseram, palavra em desuso), aparece alguém que diz: meu amigo, você está enganado. Tem que ter mais fé.
Enfim, as conclusões ficam para outro post. Ou talvez, os meus, poucos, mas bons, visitantes as possam escrever comigo.

And so merry Christmas…

5 Comentários:

Blogger lazuli disse...

Nem sei que dizer. Essa pessoa fez-te bem. e a mim também..e a outras pessoas fará igualmente. Ler esta história deu alento. Hoje no autocarro, estava a tossir..eu. De repente vejo um senhor de muita idade levantar-se e delicadamente tirou um rebuçado de eucalipto e disse: tome, faz-lhe bem.

Um beijo..

Fernanda g.

1:58 da manhã  
Blogger Tere disse...

Um Feliz Natal...Bjokas grandes

8:22 da tarde  
Blogger Animatógrafo disse...

Há coisas do arco da velha...

11:00 da tarde  
Blogger Ant disse...

é verdade animatógrafo, ele há coisas... gente honesta não é? Gente sensível...
Ainda bem que os há. Que seria de nós, não é?

12:04 da manhã  
Blogger Marco_S disse...

Neste Portugal que me mete nojo, ainda se vão encontrando situações destas. Infelizmente são tão raras que lhes damos uma importância extrema. A mim pelo menos, deixam-me a pensar. Quando faço algo do género a alguém dá-me uma tamanha alegria e satisfação que acho que por momentos sou a pessoa mais importante do mundo, pelo menos para alguém. E quando me fazem a mim a minha gratidão é a mais sincera possível. Bem haja esse teu amigo. Essas pessoas merecem de facto o melhor de que há no mundo!
Havia tanto mais a dizer...

3:27 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial