quarta-feira, novembro 23, 2005

TOPO DO MUNDO

Os dias não afogam
somos nós
a perdê-los ébrios,
irreais fins de vida

Na quela rua
noutra esquina
gente nua
sombra esquiva.

Viver
no topo do mundo.
Mundo da rua.

Olho a rua
onde sempre estás.
Fogo aceso?
Indolente.
Sempre vou?
Tanto faz.
No deserto espreito
o sonho ausente.
E viver
no topo do mundo.
Mundo da rua.

Terra, vento,
tudo aguento nú,
no mundo da rua.

Aí está
quem te quer ter.
Flor do dia,
uma mão,
dever.
Dessa caravela beber
como água
o vinho a correr.
Tenho pouco
quero mais que fantasmas
de heróis abandonados
em terras de ninguém.

E viver no topo do mundo.

Mundo da rua.

6 Comentários:

Blogger Maheve disse...

Obrigada pela visita, pelas palavras e pelo conselho. Não me conformo com o "conformismo" de só pq tá na internet não há que se ter respeito pelo espaço alheio, se pensarmos sempre assim, o mundo continuará sendo o mesmo não achas? Temos que fazer a diferença. Mesmo assim gostei da tua visita e espero recebe-lo mais vezes.
um abraço forte

2:26 da manhã  
Blogger lazuli disse...

boa noite, vim aqui por acaso, ao ler algures umas palavras bem equilibradas.
Li um pouco e gostei especialmente do O Medo. Até breve.
Fernanda g.

2:54 da manhã  
Blogger Tere disse...

Perdi-me na rua do topo do mundo das tuas palavras.... Bjokas

9:56 da manhã  
Blogger lazuli disse...

volto pelo prazer de te reler. Um abraço.

5:13 da manhã  
Blogger Ant disse...

Desculpem lá. Estive fora.
Agradeço as visitas. Já lá vou passar pelo vosso canto.
até já

Bjs

11:08 da manhã  
Blogger Tere disse...

Voltei pela 4ª vez e ainda não tás... :(

9:19 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial